16.1.12

O meu calcanhar de Aquiles

... é a garganta!
Às vezes, pelo que digo :-)
... mas por acaso desta vez não me estava a referir a essa minha particularidade, mas sim mesmo à dita!

Desde criança que tenho amigdalites, ou anginas como antes se dizia na minha terra, com muita frequência. Raramente tenho gripes, tive muito poucas otites, zero bronquites e no ano passado estreei-me na pneumonia, mas amigdalites tenho pelo menos duas por ano!

Agora já sei como curá-las e até preveni-las (mas esqueço-me), e se tiver que estar em casa para não piorar entretenho-me com a máquina da costura, ou com a lã e as agulhas de tricot, no entanto quando era pequena e me obrigavam a ficar deitada na cama, a "coisa" ficava complicada!

Sabem como é que me entretinha?
É desta que vão dizer: ela é louca!!!! Ora cantava o hino, ora lhe dava p'ra isto!!!!

Sentava-me na cama, montava o jogo do Ludo, ou como se chamava lá em casa - o Não-Te-Irrites, e jogava por quatro, ou seja, como se eu fosse o Fernando Pessoa com mais 3 Heterónimos :-)
(Eu) Eramos quatro jogadores e não havia batota - todos jogavam pela sua vez e voltavam ao princípio, se assim tivesse que ser.


Se tivesse pouca febre ou mesmo nenhuma, então aí, com a cabeça bem mais fresca (preparem-se que vem aí mais loucura!), pegava numas quantas folhas quadriculadas em branco, e fazia ou pedia ao meu Pai para me escrever problemas matemáticos - contas de dividir do género:

3769258571345: 4387=

ou

754360987636 X 7392=

Isto dava para 10 ou 20 minutos sem chamar ninguém só para pedir água, ou chá e torradas, ou outra coisa qualquer, porque... depois da conta feita, ainda fazia a prova dos nove e a prova real, para ter a certeza que estava tudo certo!

À custa de tanto exercício, hoje raramente falho um Sudoku!

(Podem-me chamar nomes à vontade, mas só faltam 36 dias!)

10 comentários:

  1. Eu não acredito nisto!!!! Este é um dos jogos preferidos da minha infância. Até tenho um em que os dados são activados por um mecanismo na lateral do tabuleiro. Passava horas a jogar e não havia coisa mais gira de ver do que o meu pai a perder - tirava-lhe as peças para fora e ele passava-se!!! LOLOLOL

    ResponderEliminar
  2. Adorei esta história!
    Especialmente a parte de jogares por quatro sem batota!
    É que eu nunca consegui jogar por 2 ou 3 sem batotear... mas era justa, primeiro ganhava um, depois o outro e depois o outro!
    Mas o mais curioso é que até à adolescência apanhava anginas sempre uma vez por ano e era sempre na mesma altura: o Carnaval! Nunca participei em nenhum desfile de carnaval na escola e já tinha azar ao Carnaval porque ia sempre passar o dia ou a véspera sabes onde, Sofia??? No consultório do dr. Espinha. Lembras-te dele?!

    ResponderEliminar
  3. Naná: isso de ficar doente no carnaval também era costume comigo. talvez por isso agora adore e raramente falhe uma mascarinha :-)

    ResponderEliminar
  4. Não conheço o Dr.Espinha, Naná, o meu era o Dr.Malha Gregório, ou o Dr. João Moleiro, ambos amigos dos meus Pais.

    Margarida ainda hoje gosto de jogar Não-te-Irrites :)

    ResponderEliminar
  5. Ah e adoro o Carnaval, especialmente porque é sempre sinónimo de música, dança e brincadeira!

    ResponderEliminar
  6. Acreditam se vos disser que o meu filho no último carnaval teve uma amigdalite... espero que a tradição não se repita...
    Eu por acaso adoro mascarar-me, adoro a galhofa, mas é mais na parte da construção da máscara!

    ResponderEliminar
  7. Nunca joguei a isto... e fazer contas de dividir não é para mim muito atrativo...mas concedo que deve exercitar bem os neurónios. Se ainda por cima ajuda a curar amigdalites... ou pelo menos a pacientar na espera da cura deve valer a pena. Mas por mim preferia umas pilhas de livros de histórias :))

    ResponderEliminar
  8. Os livros também lá estavam, Luísa, mas como eu os devorava... não eram suficientes para ocupar todas as horas de "cura" :)

    ResponderEliminar
  9. Hallo Ana Sofia!
    Es ist lange her, dass ich bei dir reingeschaut habe,habe aber mit Vergnügen deine Beiträge gelesen,leider verstehe ich nicht alles ganz genau, aber wenigstens dem Sinne nach.
    Was passiert eigentlich, wenn der Count-Down zu Ende ist?
    Gibt es dann eine Neuausgabe des Spiels "Mensch ärgere dich nicht".
    Ich spiele heute noch mit meinen Freunden hin und wieder ein paar Runden. Es ist immer sehr lustig.
    Melde dich mal!
    Liebe Grüße
    Hildegard

    ResponderEliminar
  10. Simplesmente adorei este post! Fartei-me de rir e de me rever nele... É que eu estou neste momento com uma amigdalite e tal como a Sofia todos os anos tenho uma, infelizmente sempre em alturas muito más (no meu aniversário, no dia de Natal, na véspera da 1ª comunhão, esta última...em época de exames!), apesar de tudo isso torna-me rija, desta vez nem tive febre! O médico quando me viu a garganta ficou impressionado com esse facto, pois disse-me que as minhas amígdalas estavam inflamadíssimas, tanto que tive de levar uma injecção de penicilina (aquilo dóiiii!) e hoje parecia outra, apesar de ainda me doer um bocado a garganta estou cheia de energia, também se deve ser porque entrei hoje de férias hehe
    Mas voltando ao facto de estarmos doentes...eu não sou pessoa de ficar na cama, em miúda fartava-me ao fim de 3h a ver televisão, que tempo mais mal gasto! Por isso também me entretia a ler, a fazer trabalhos para a escola, a chamar a minha mãe para me trazer lanchinhos...hoje em dia já nem fico de cama, se bem que por vezes até era o que me apetecia!

    ResponderEliminar

Se estás aí, diz qualquer coisa, sou curiosa, gosto de saber o que pensas.
Bj