22.2.10

A vida prega-nos muitas partidas

Há 17 anos atrás, nesta mesma semana do ano (na altura 1993), estava eu a terminar a minha bolsa Erasmus, em Göttingen (Alemanha), regressei à pressa para Lisboa a tempo de ainda passar as últimas 24h de vida da minha Mae.

Deixou-nos no dia 15 de Fevereiro, com 50 anos de idade, a meros 6 dias do meu 21 aniversário. Um cancro, sempre um maldito cancro que destrói tudo por onde passa, devasta as vítimas e os seus familiares, derruba vidas, abala lares.

Hoje, passados estes anos, aqui estou eu num aviao, desta vez no percurso inverso Portugal-Alemanha, um dia depois de fazer 38 anos! (É verdade, ontem fiquei mais velha, entenda-se madura!) E o motivo da viagem é, infelizmente, o mesmo... Um cancro, um maldito cancro, que nao nos deixa ser feliz em paz!

A Gudrun, namorada do meu Pai, que é alema, deixou-nos ontem no meu dia e dia de uma das netas dela! Um velhaco de um cancro, que nao a deixou ver os netos crescer, que nao deixou as minhas filhas gozarem um pouco mais desta Avó emprestada, que tanto brincou com elas!

Para nós (eu, o meu irmao e o meu Pai), para além da perda actual, é um reviver de momentos que queríamos ver enterrados. Mas acima de tudo, estes abanoes nas nossas vidas, servem para pensarmos que, sendo o futuro sempre incerto, devemos aproveitar da melhor forma os momentos que passamos com as pessoas que nos rodeiam e nao perdermos tempo com parvoíces e arrelias.

Auf wiedersehen Gudrun!

Estou a escrever num teclado alemao sem til, daí os erros de ortografia. Desculpem!

9 comentários:

  1. Desejo muita força para vocês nesse momento tão triste!

    Um beijo!

    ResponderEliminar
  2. As perdas são sempre muito duras! Eu sei...e o pior é que não sei lidar com elas. Tenho muita dificuldade em dizer alguma coisa nestes momentos, desculpa... Muita força e um grande beijo de parabéns.
    A Patricia tinha razão, escreves maravilhosamente!!!
    Beijos
    telma

    ResponderEliminar
  3. A doença do silêncio, é como lhe chamo... A maioria das vezes, só "fala" demasiado tarde... Lidar com a partida dos que amamos é das coisas mais difíceis na vida... Força!

    ResponderEliminar
  4. A vida é muito injusta... e prega-nos partidas que nem imaginamos.

    Admiro muito a tua maneira de ser (embora não te conheça assim tão bem!), és frontal e muito humana...

    só posso enviar-te muita energia positiva, para ti e para a tua família!
    força,
    margarida

    ResponderEliminar
  5. olá mãe,

    A vida é muito injusta. Nem a Gudrun nem nós merciamos o que aconteceu.
    Infelizmente já não volto a ver a Gudrun e não coheci a avó, mas vou guardar todos os momentos bons que tive com a Gudrun e as coisas que sei sobre a avó para o resto da vida...

    Muitos beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Obrigada pelas vossas palavras e pela força que querem cá fazer chegar. Embora não nos conheçamos, como diz a Margarida, é muito bom saber que alguém desse lado nos quer animar.

    Filha I., quando eu crescer quero ser como tu, manter essa calma toda e ter as ideias tão arrumadinhas. :) Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Força neste momento!
    Pelo comentário no meu blogue sinto que és mais uma Sofia que olha a Vida de uma forma positiva.
    Com carinho especial
    Sofia

    ResponderEliminar

Se estás aí, diz qualquer coisa, sou curiosa, gosto de saber o que pensas.
Bj